9 de abr de 2013

Destruídos.

CONTINUAÇÃO...

                                                                                              
 O Cara que Magoa CAP.1

Hum... O que aquele pevertido iria querer saber tanto de mim para ir bater na casa da Clara*?
-Sério? o que ele tanto perguntou?
- Ai Nanda, nem sei por onde começar... Ele quiz saber tudo sobre você!
-Tudo o que caramba? - Fala!
Nós duas seguimos pelo mesmo caminho que faziamos de segunda a sexta até nossa sala e como sempre, paramos em frente a sala até o professor chegar e pela graça de Deus, a Clara* começou a soltar a língua.
-Bom, primeiro ele perguntou se você tinha namorado...
-Hã ? E o que você disse?
-Que não ué! ou por acaso você tem e eu não sabia?!
-Ah, tá legal então! ... O que mais?
-Onde você morava, quantos anos você tem, o que você gosta de fazer, se você é sempre abusada desse jeito...
-O que?!
-Só estou falando o que ele disse!
- Hahaha, Ele que é abusado! Só porque é lindo acha que pode conseguir o que quer...
-Hum... Então você acha ele lindo né Nanda?
Pronto o que eu fui inventar...
-Ha, você sabe que ele é bonito, isso não quer dizer nada, ta bom?
-OK, Se você está dizendo.
Meu professor preferido de matemática foi nos empurrando para dentro de sala, Carlos* o nome dele, super estiloso para um professor e se ele não fosse da idade do meu pai e eu nao tivesse idade para ser sua filha, eu teria coragem de flertar com ele, mas como eu disse se não existisse o tal do "se"...
Sentadas Clara* e eu em seus devidos lugares,é hora de aprender um pouco e deixar os hormOnios adolescentes de lado.

Final de aula.

_ E aí, você vai mais tarde na minha casa?
-Olha, não sei, vou ver o que tem para fazer em casa, você sabe como é a minha mãe né!
Minha mãe...Minha mãe é de lua sabe? Tem dias que se eu quizer ir na casa da Clara* a tarde ela vai dizer:
-Tudo bem filha, vai ,cuidado e não volta tarde,ouviu?!
E outras vezes:
-De novo na casa da Clara*? Você não tem casa não mocinha?! Aqui tem um monte de coisas para você fazer!
Então iria depender muito de qual "fase" minha mãe estaria naquele dia.
-Tá, Então se você não for você me liga?
-Ok
-Agora me diz Clara, o que mais o junior* perguntou?
Foi nesse momento,nesse exato momento que eu achei que se falar demais no diabo ele aparece.
Estava lá, ele... Como se estivesse esperando ser fotografado para a revista "gatos quentes" com um sorriso meia boca ,encostado na parede a frente da minha escola, mirando aqueles olhos castanhos tão claros que eram quase um tom de mel em nossa direção.
-Mas.. o que.. que ..é isso???
-Espero realmente que ele tenha vindo para te ver Clara*, porque vou começar a achar que é perseguição!
Clara* riu e foi andando na direção dele , eu fui também, mas não estava rindo.
Sério,Oh Meu Deus, onde isso vai parar?
_Oi Junior*!
-Oi Clarinha*
-Ai! Não me chame de Clarinha*! isso ficou na antiga escola.
-Ok, Então, Oi Clara!
-Ah, Agora sim.
-Oi Fer-nan-da! Disse ele bem devagar só para me irritar.
-Oi, Ju-ni-or! Eu repeti seu feito como uma criança boba.
Eu sabia que ele mexia comigo,mas eu não estava a fim de ter algo com alguém como ele.
Minha mãe me ensinou a ficar bem longe de garotos do tipo dele quando eu tinha uns 9 anos de idade.
Ela me dizia que o meninos não prestam e que a cada ano eles querem passar a mão em algum lugar do seu corpo e quanto mais você vai crescendo, mais lugares eles vão querer explorar e quando acabarem as opçoes de exploração ,eles vão querer usar outras coisas em outros lugares e depois disso finalmente você será descaratada por não ter mais nenhum lugar "inexplorado" .
E acabando a aula da minha mãe que mais parecia um documentario de TV dos anos 80, eu tentava acalma-la mostrando que sim, eu tinha entendido tudo e sim, eu estava ficando bem longe dos "exploradores".
Mas é claro que nem sempre a gente ouve o que nossos pais falam e eu já tinha tido minhas próprias certezas que, garotos como o Junior* já tinham entrado na minha vida e que quando bem entendiam saiam também,sem explicaçoes,sem perceber que deixariam marcas,sem ligar que me magoariam, por isso eu não queria mais um mané na minha vida só de passagem, eu queria um cara legal,e que se podesse, me amasse e eu o amasse,ter algo além do hoje,era isso...eu queria alguém com quem eu tivesse um amanhã.
-Bom,acho que vocês tem muito o que converçar, matar as saudades né! Então estou indo,
Tchal Clara*! depois te ligo e..Tchal Junior*!
Eu ia seguir o meu caminho sozinha até o ponto de ônibus, chegar em casa, comer algo,ler, ver Tv, ver se a minha mãe precisava de ajuda, qualquer coisa, menos ficar ali .
Mais uma vez meu plano imaginário estava dando certo até ele me agarrar pelo braço, ai não..ele , me segurando de novo.
-Fica!
-Não,não. Eu preciso mesmo ir.
-Porque?
-Estou cansada,a aula de química foi bem puxada hoje e eu preciso ajudar minha mãe com algumas tarefas.
Eu não sabia se eu olhava pra ele,ou se matava só com um olhar a Clara* que não fazia nada pra me ajudar naquela situação, ao contrario estava dando espaço para o Junior falar a sós comigo. .
Já que meu plano não tinha corrido como eu queria des do início eu olhei para ele e deixei ele continuar.
-Eu quero falar com você.
-Agora não dá, eu realmente preciso ir.
-Você vai na casa da Clara* hoje a tarde? a gente poderia se encontrar lá.
-Hum...Eu não sei.
-Porque você está fugindo de mim? Eu só quero conversar com você,te conhecer e quem sabe ser o seu cara especial.
Eu estava realmente odiando o papinho dele de ser o meu cara especial e isso me fazia realmente lhe dizer não,mas a sua voz aos meus ouvidos,seus labios rosados me sorrindo,seus olhos  me convindando a mergulhar tão fundo neles,me dizia: Sim,vá!
Continuei ali,parada na frente dele sem dizer nada.
-Por favor Fernanda,vá .Só vamos nos conhecer,Só estou te pedindo uma oportunidade de me conhecer.
-Está bem,Eu vou.
-Legal! vou te esperar lá, ás 5 da tarde.
-Ok,Agora tenho que ir mesmo, até lá!
-Espera! ele me disse quando eu ja tinha me virado para ir sem nem olhar para a Clara*
-Eu só queria te dar isso, ja que você nao me deu na primeira vez que te vi.
E ele me deu um beijo no rosto, um beijo demorado para um beijo no rosto,mas eu gostei.
Ele se virou para me deixar ir e eu me virei para tomar o meu caminho para ir para casa.
HOJE A TARDE,ÁS 5 HORAS... fui andando com essa frase passando mil vezes pela minha cabeça.
É, realmente nunca ouvimos nossos pais!

CONTINUA...
































5 de abr de 2013

Destuídos.




Essa é a História de uma menina que amou e foi realmente humilhada por esse sentimento.
Ela foi enganada, feita de idiota em todos os sentidos e mesmo assim achava que era feliz, mas é claro que mais a diante ela percebeu que tudo estava errado e aí tudo acabou .
E esse foi o início de  muito ressentimento e sentimentos confusos, menos amor.
Pode se dizer que essa história tem tres pontos importantes e bem diferentes:
1- O cara que magoa
2- A garota que é magoada e ...
3- O cara legal que é magoado pela garota que já estava mais que magoada: Eu


Cap.1: O cara que magoa

Era ínício de semestre, escola nova,amigos novos..e por íncrível que pareça eu estava adorando!
Meus medos tinham todos ido embora, a escola era ótima,a galera também era ótima e eu já tinha feitos altos amigos.
Naquele começo de dia eu estava no portão de entrada esperando minha nova e já melhor amiga Clara* para podermos entrar em sala e foi aí que eu vi ela no outro lado da rua em uma roda de amigos, eu não conhecia nenhum deles.
Ela me viu olhando pra ela é me gritou - Fernandaaaaaa!!! fazendo sinal para eu me aproximar e foi oque eu fiz, atravessei a rua e fui em direção a ficar do lado de Clara* que foi logo colocando seu braço em volta do meu.
-Fernanda, esses aqui são meus amigos da  antiga escola, quero que conheça todos!
E eu pensei:"Uau, ela devia fazer sucesso lá, já que tantos carinhas vieram só pra ver ela, se nem ao menos uma amiga minha tinha ido me visitar na minha escola nova,imagina um carinha"...
Clara* foi falando o nome de cada um e eu encarei cada rosto esticando a mão para cumprimetar cada um.
Não me lembro do nome de nenhum deles, exeto um.
- E esse é o junior*! quando Clara* acabou de dizer o nome dele e eu o olhei bem, pude ver o quanto ele era bonito.
O cumprimentei da mesma forma que os demais, mas ele nao respondeu como os demais...
-Hum... Não ganho os três beijinhos não?
-Que?
-Os três beijinhos.... junto com o aperto de mão.
Eu fiquei sem graça, mas queria mostrar que ele não tinha nenhum poder de me deixar de qualquer jeito que não fosse NORMAL.
-Bom, você não é especial é? Então vai receber um aperto de mão educado da minha parte como todos os outros.
Eu esperava que ele ficasse sem graça como acabara de me deixar, mas ele riu, um sorriso mais que sarcastico.
-Olha. se for preciso se especial pra ganhar um beijinho seu, eu vou ser especial pra você!
E foi eu que ri dessa vez.
-Hahaha, sério? tentar é bom pra quem não tem medo de falhar!
No exato momento que acabei de botar pra fora a ultima letrinha que tinha pensando bem em soltar para o Junior*, o sinal atrás de nós tocou e eu chamei Clara* pra entrar.
-Clara* , vamos? Ta na hora!
-Tchal meninos! Foi o que Clara* disse já andando e acenando para todos e eu fiz o mesmo andando atras dela , até que alguem pegou na minha mão.
-Tchal Fernanda, não vou esquecer do seu nome,nem de você.
Mas que garoto abusado!
- Harram, tá bom... eu disse pelo canto da boca e fui soltando minha mão.
Entramos na sala , sentamos juntas e o resto nao vou comentar, aula é sempre chata.

"Fernanda não ouse pensar em um cara tão sínico como este! ele deve fazer isso para todas"!

Era isso que eu queria colocar na minha cabeça e foi o que eu fiz e estava dando certo até...
No dia seguinte era a Clara* que me esperava no portão, toda saltitante com um mega sorriso de orelha a orelha.
-Fernandaaaaa, você nao sabe quem foi lá em casa ontem e só falou... quer dizer só perguntou de você?!
-Quem???
-Ele !!!
-Ele quem???
-Junior*

Continua...




Obs: Clara* e Junior* São nomes ficticios para preservar os nomes reais daqueles que fazer parte da minha história.



















♥ Theme por Erica Pires e Edito por Nanda Tavares © 2013 • Powered by Blogger • Todos os direitos reservados •• Topo